©  Tiago Silva - Psicologia e Psicoterapia | 2017

Rua Damião de Góis, n.º 9, R/C Esquerdo - Amora

Rua Candido dos Reis, n.º 503 - Seixal

+351 926 970 456

  • White Facebook Icon
  • White LinkedIn Icon
  • Twitter - White Circle
  • unnamed
  • Tiago Silva

Porque é que as mães são sempre culpadas do sofrimento das crianças?





É um clássico


“É um clássico: quando nos magoamos gritamos pela mãe. E ela - destemida - chega; vence todos os obstáculos até nos pegar; agarra-nos de forma firme e decidida; e, duma forma que não dá, sequer, espaço para hesitar ou respirar, diz: “Mostra o dói-dói!”. Com um olhar atento - que se eu fosse dói-dói me enchia de medo - examina-o. Uma vez. E mais outra. A seguir, afirma, com uma segurança inabalável: “Não foi nada!” Pega-nos ao colo. Aperta-nos tanto que quase nos sufoca. Nós - porque ninguém desafia Deus sem que lhe saía em sorte outro dilúvio - não protestamos nem nos mexemos. Depois, a mãe pespega-nos uns pares de beijos por tudo o que é nosso, que esteja mais à sua mão. E, finalmente, pousa-nos, com um sorriso, e, de forma convicta e sem margem para dúvidas, remata com o seu famoso: “Já passou!”. Entretanto, se for preciso, ainda dá tau-tau à mesa e faz um figurão que nos intimida, até, a nós (e que, noutro contexto, nos levaria a supor que fala sozinha) ralhando com o chão, que nos fez mal! Eu, por mais que não a queira levar ao engano, não tenho coragem nem de lhe dizer que o culpado está ali mesmo, debaixo do seu nariz. Mas a verdade é que, sem que eu perceba porquê, a dor - que, antes, parecia cortar-nos a alma - escapuliu-se. Foi-se. Evaporou-se! Porquê? Não sei! Mas que a mãe parece feiticeira lá isso parece. Moral da história: nunca te metas com uma feiticeira porque senão vais de príncipe a sapo num instantinho.” Na verdade, se as crianças escrevessem um Diário de Viagem, teria sempre de existir um capítulo mais ou menos assim.


E, depois, as mães admiram-se que os filhos, sempre que se magoam pela vida fora, culpem as mães de todas as dores. Afinal, quem foi mesmo que os habituou assim, quem foi?...


Adaptado de eduardosa.pt

42 visualizações