• Tiago Silva

Como a ansiedade afeta a forma como aprendemos e pensamos



A maneira como vemos, ouvimos e pensamos o que vivenciamos dentro e fora de nós, determina quem somos e como nos relacionamos com o mundo. Distúrbios como a ansiedade não apenas interferem, mas também prejudicam esses processos, criando uma visão distorcida dos nossos mundos interno e externo.


Segundo muitos investigadores, a memória operacional é a mais importante das funções perceptiva e cognitiva. Nossa capacidade de aprender novas habilidades - de conduzir e jogar golfe à matemática e meditação - para dominar as habilidades de atenção, atingir metas, planear uma atividade vital e tomar decisões e escolhas, dependemos fortemente de uma memória de trabalho eficaz e eficiente.


A memória de trabalho funciona como um bloco de notas que permite o desempenho de tarefas abrangentes como as que enunciamos acima. Depois do conjunto relevante de informações para uma tarefa ser obtido, essas informações devem ser mantidas na memória, organizadas, manipuladas e atualizadas para que a tarefa possa ser realizada de corretamente. Vejam o exemplo do teste de span de leitura complexa, que é um teste usado para medir o tamanho do espaço da memória de trabalho. Os sujeitos vêem um conjunto de palavras dependendo de quantas podem lembrar-se corretamente. Após cada palavra, uma declaração é apresentada para o sujeito possa determinar se é verdadeiro ou falso. A tarefa requer que o sujeito manipule, codifique e mantenha as palavras na memória enquanto realiza a tarefa competitiva de ler a sentença e determinar se é verdadeira ou falsa (Daneman & Carpenter, 1980).


Muitos processos cognitivos complexos, como atenção, inibição de distratores, mudança de uma sub-tarefa para outra, monitorização online estratégica de desempenho, deteção instantânea de erros e a sua correção, e atualização de informações contínuas, são necessários para a conclusão efetiva e eficiente de tarefas de memória de trabalho.


Estudos cada vez mais crescentes mostram que a ansiedade prejudica tanto o espaço de memória de trabalho quanto os processos cognitivos em graus variados ocorrendo efeitos adversos. Estudos mostraram conclusivamente que as pessoas com ansiedade percebem automaticamente ameaças sobre outros estímulos em detrimento de tarefas cruciais em curso (Bar-Haim et al., 2007). É provável também que uma pessoa com ansiedade severa tenha dificuldade em separar-se de imagens e palavras assustadoras, impedindo-a de retornar para realizar a tarefa (Grant et al., 2015).


A tendência perceptiva instantânea para as ameaças da ansiedade persiste nos processos cognitivos subsequentes. O viés afeta a quantidade de informações verbais e visuoespaciais que a memória de trabalho pode conter, assim como o processamento cognitivo das informações relevantes. Quando os indivíduos foram testados para determinar quantos dígitos poderiam ter na memória num teste complexo de capacidade de memória de trabalho, os sujeitos com alta ansiedade tinham muito menos dígitos comparados com aqueles com baixa ansiedade (Diamond, 2013). A capacidade de manter a informação verbal também foi muito menor com sujeitos de alta ansiedade que foram obrigados a preocupar-se, em comparação com aqueles que não eram. (Leigh & Hirsch, 2011). Entretanto, numerosos estudos mostram que a quantidade de informação armazenada na memória de trabalho durante a realização de uma tarefa determina o grau de comprometimento causado pela ansiedade. Quando a quantidade de informação armazenada na memória é abaixo da média, a ansiedade prejudica significativamente a capacidade de memória de trabalho porque os processos cognitivos que não são necessários para realizar a tarefa estão disponíveis para o processamento de distratores de ameaças. No entanto, quando a carga é alta, a ansiedade prejudica muito menos a capacidade de memória de trabalho, pois todos os recursos são consumidos processando a alta carga de informações e pouca ou nenhuma memória de trabalho está disponível para atender às ameaças que causam distração (Derakshan, N , et.al., 2009).


Evidências fortes mostram que a ansiedade prejudica cada um dos processos cognitivos específicos responsáveis ​​por realizar as tarefas multicomponentes da memória operacional. Estudos mostram que pessoas com ansiedade elevada não são capazes de inibir distratores ameaçadores em comparação com estímulos neutros durante uma função cognitiva. Eles não conseguem se desenvencilhar da ameaça e retornam à tarefa (Grant et al., 2015). Outros estudos mostram que pessoas com ansiedade elevada falham ou demoram a mudar de um conjunto cognitivo para outro durante o desempenho de uma tarefa de memória de trabalho (Ansari & Derakshan, 2011). Dado que as tarefas de memória de trabalho consistem em conjuntos de componentes múltiplos de uma tarefa, a capacidade de se mover prontamente de uma para outra é essencial para o desempenho correto e rápido da tarefa.


O prejuízo da atenção, inibição e deslocamento interfere nas funções de monitorização e atualização. A atualização constante de subtarefas durante o desempenho de qualquer tarefa orientada para objetivos e aprendizagem evita a percepção de erros (Folstein & Petten, 2008). A monitorização online estratégica do desempenho em cada um dos vários subestágios de uma tarefa visa identificar os erros desde o início para que possam ser corrigidos instantaneamente. Erros não detectados comprometem o desempenho das tarefas subsequentes. A detecção instantânea e a correção de erros ajudam a conservar e distribuir os recursos cognitivos limitados e sua alocação para sub-tarefas subseqüentes. Estudos mostram que pessoas com ansiedade clínica tendem a ter elevada negatividade relacionada ao erro (ERN), um potencial específico de resposta evocada (ERP) - um método usado para agregar atividade cerebral numa região específica do cérebro - que mede o erro e sua correção ( Gehring et al., 1993).


A atualização é um processo de adicionar continuamente novas informações relevantes às existentes, de acordo com as demandas da subtarefa ou quando ocorrem situações imprevistas durante o desempenho contínuo de uma tarefa. Durante este processo, os dados sofrem múltiplas transformações e substituições. A capacidade de atualizar de forma eficaz tem se mostrado um preditor significativo das habilidades mentais superiores, como a inteligência fluída.


Com base nessas descobertas, os investigadores desenvolveram dois importantes protocolos de tratamento, a saber, modificação da tendência de atenção (ABM) e modificação do viés cognitivo (CBM) (Amir et al., 2009), (Macleod et al., 2012). Esses protocolos envolvem a manipulação da atenção distante de estímulos ameaçadores para o neutro. Estudos mostram que ambos os protocolos demonstram efeitos pequenos a moderados. No entanto, eles também parecem ser menos eficazes do que os tratamentos comprovados empiricamente existentes para a ansiedade. Além disso, os investigadores levantaram questões sobre se treinar um indivíduo para se afastar de um estímulo ameaçador aumenta o comportamento de evitamento, o que tem demonstrado aumentar a ansiedade a longo prazo.


Investigadores sugeriram que, uma vez que o viés de atenção à ameaça é sustentado por longos períodos, substituir as breves apresentações de 500 milissegundos, usadas na ABM e na CBM para afastar a atenção da ameaça, com períodos mais extensos de apresentações provavelmente produzirá resultados mais efetivos. Entretanto, os transtornos de ansiedade são complexos e têm frequentemente raízes em condições ambientais e de desenvolvimento stressantes e conflituais da primeira infância. Sem abordar esses fatores, parece improvável que prolongar o período de apresentação e desviar a atenção da ameaça, embora útil, resolva as causas subjacentes da ansiedade.


Adaptado de www.psychologytoday.com


0 visualização

©  Tiago Silva - Psicologia e Psicoterapia | 2017

Rua Damião de Góis, n.º 9, R/C Esquerdo - Amora

Rua Candido dos Reis, n.º 503 - Seixal

+351 926 970 456

  • White Facebook Icon
  • White LinkedIn Icon
  • Twitter - White Circle
  • unnamed